Dicas para iniciantes em trilhas: mulheres no topo

Proponho uma reflexão a respeito do que entendo ser (e quero que seja, efetivamente), as “mulheres no topo”. Farei uma analogia do montanhismo à vida real. E, na sequência, seguirei com as dicas para iniciantes em trilhas.

Venha comigo, há muita informação interessante para quem pretende começar a trilhar. E caso se apaixone por essa modalidade, separei algumas indicações tecnológicas, de segurança e de itens básicos para você desbravar muitos montes.

Qual o meu conhecimento sobre subir picos, morros e montanhas?

A bem da verdade, o que vejo cada vez mais é que a coragem tem levado as mulheres a lugares que ultrapassam o poder da imaginação daqueles que duvidam do poder delas.

Em maio de 2021, a brasileira Aretha Duarte, tornou-se a primeira negra latino-americana a escalar o Monte Everest, a maior montanha do mundo. Foram 54 dias para alcançar o cume de 8.848,86 metros de altitude. Um orgulho e exemplo de superação! Parte da conquista está no Instagram: @aretha_duarte.

Determinar e trilhar os passos, estabelecidos por nós, é assustador! Tudo se torna bem complicado quando precisamos a todo custo provar que somos inteligentes, competentes e capazes de atingirmos o ápice pelo nosso talento e próprio mérito. 

Em pleno século XXI, encontramos até então um abismo na sociedade, no qual o machismo e o patriarcado ainda conduzem as relações humanas.

Quero exaltar a valentia da mulher que, assim como nas escaladas, encara diversas descidas e subidas no ciclo da vida para conquistar o que deseja, driblando obstáculos de todos os níveis.

Em várias situações, os grandes desafios exigem que tenhamos muito equilíbrio, saúde mental e resiliência para seguirmos em frente.

A gente enfrenta tanta desigualdade no trabalho e no ambiente familiar; julgamentos; vários tipos de violência (verbal, física, psicológica, moral, sexual, patrimonial e econômica); inversão de valores (na cultura do estupro, por exemplo, há quem culpe a vítima).


E o que dizer da cobrança pela perfeição inatingível para qualquer ser humano? Incabível!


Espero que surjam oportunidades de realizarmos nossos sonhos sem termos que desviar de críticas destrutivas, de preconceitos, de injustiças e do que acham ser o melhor para nós.

Apesar da jornada ser desafiadora, ela nos proporciona aprendizados significativos. Isso sem falar do colorido das flores e do verde das árvores no caminho, para nos alegrar e nos encher de esperança.

Assim como na natureza (rica em biodiversidade, lindas paisagens, lagos, mares, sol, lua e estrelas), no nosso cotidiano, apreciamos vivências de diferentes belezas.

Bons momentos são verdadeiros presentes acompanhados de evolução espiritual, amadurecimento, amizades e amores sinceros, valorização profissional e realizações. Torço para serem frequentes em nossas vidas. Merecemos!

Anseio que ainda esteja por aqui, vamos ao assunto que deu origem a este texto?

 

Dicas para iniciantes em trilhas
 

Quando comecei a ser trilheira por diversas vezes me perguntei (muitas também se questionam): Será que dou conta? Sim! Tem sido algo realizável e delicioso. 


O intuito do meu post é incentivá-la a dar o pontapé inicial nessa escolha transformadora, já adianto, sem volta. Juro, tornou-se uma das minhas paixões e vejo chances reais de encantá-la igualmente.

 

Primeiro de tudo, trilha é um trajeto usado para caminhada ao ar livre, ciclismo ou outras atividades de locomoção.

 

Existem as guiadas, acompanhadas por guia/condutor; e as autoguiadas, em que o contato dos visitantes com a fauna e a flora é feito sem a presença de um monitor ambiental.

Alguns termos utilizados nesse universo de aventuras:

Trekking significa caminhadas de médias e longas distâncias.

Hiking é trilhar por um curto período, no estilo bate e volta.

Aquatrekking consiste em caminhar dentro ou à margem de rios. 

E uma prática que tem crescido junto à acessibilidade, são os percursos para pessoas com deficiência. Aproveito para enaltecer um grupo que faz um trabalho incrível, a ONG Inclusão Radical. O lema deles é: todos merecem IR! Saiba mais no Instagram: @inclusaoradical.

Detalhes técnicos sobre trilhas:

– Finalidade: vigilância, recreativa, educativa, interpretativa e travessias.

– Formato: circular, oito, linear, atalho e mistas.

– Grau de dificuldade: leve, moderado e difícil/pesado.

– Declividade do relevo: ascendente, descendente e irregular.

 

1. Simplesmente, comece!

Para dar início a lista das dicas para iniciantes em trilhas, quero tranquilizá-las com a seguinte informação: há caminhos curtos, autoguiados, demarcados e dentro de parques ou de propriedades particulares que não exigem tanto esforço físico, nem vestuário ou equipamentos específicos. 

A princípio, não invista dinheiro, use seu tênis e as roupas confortáveis que tiver em casa. Quando pegar gosto e adquirir mais experiência, compre aos poucos o que achar necessário.

Não é recomendável trilhar sozinha. Caso não tenha companhia, contrate um guia credenciado ou chame amigos ou familiares para irem juntos.

Com o tempo, você começará a conhecer grupos de trilheiros nas redes sociais, no WhatsApp ou no próprio passeio, será uma oportunidade de fazer novas amizades.

Acho legal indicar alguns sites para te mostrar Unidades de Conservação e parques espalhados pelo Brasil, com trilhas de diferentes extensões e grau de dificuldade.

 

  • Algumas são gratuitas (ou de baixo custo), de fácil acesso e para visitantes de várias idades:

https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/fundacaoflorestal/unidades-de-conservacao/

https://www.ingressosparquespaulistas.com.br/home

https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/todas-as-unidades-de-conservacao

 

Leia também posts de cidades com indicação de trilhas:

https://vaviaje.com.br/o-que-fazer-em-paranapiacaba/

https://vaviaje.com.br/os-encantos-da-serra-capixaba-no-espirito-santo/

 

2. Torne a atividade prazerosa

  • Analise seu preparo físico, técnico e psicológico para embarcar nessa façanha.  
  • Estabeleça um ritmo de acordo com seu condicionamento. Ninguém está ali para apostar corrida. Siga devagar e sempre, assim evitará fadiga e cãibras.

 

Aproveite o momento, o ar puro e os encantos ao seu redor. 


Asseguro que essa modalidade tem me levado a cuidar mais do corpo e da mente, a mergulhar no desconhecido sem receio, a superar limites, a aprender a viver de maneira minimalista, a conhecer novos lugares, a praticar ‘turismo consciente’ que cause menor impacto às comunidades e ao meio ambiente, a respeitar outras crenças e a diversidade, e a fortalecer a conexão com Deus.

 

Nas trilhas, tenho vivido experiências que nutrem e fortalecem o meu ser. 

3. Dica essencial para iniciantes em trilha: priorizem a segurança

  • Evite dias chuvosos, o terreno fica escorregadio, além da incidência de raios, trovões ou cabeças d’ água. Seguem alguns sites para consultar a previsão do tempo:

      https://www.climatempo.com.br

      https://br.noticias.yahoo.com/tempo
  

  • Permaneça no traçado principal, em hipótese alguma, utilize os secundários. Não apele para atalhos, estes favorecem erosões e à destruição.

 

 Para se perder, basta uma piscada de olho. 

 

  • Mantenha-se em alerta! Atenção aos buracos, desníveis, pedras soltas, zumbido de abelhas, aparição de cobras ou de outros bichos. 
  • Muita cautela na hora de fazer selfie, não se arrisque por uma fotografia.

 

Anote os números de telefones da portaria do parque. Para resgate, ligue: Bombeiro – 193; SAMU – 192. 

4. O que levar para comer e beber na trilha 


– Alimentação

  • É algo muito pessoal, mas priorize alimentos que dão energia e disposição, como ovo, frutas, castanhas, barra de cereal, tapioca, pasta de amendoim e sanduíches naturais.
  • Evite comidas perecíveis, ou que exijam preparo trabalhoso. 
  • É bom incluir fontes de proteína. Se a intensidade da atividade for elevada, aumente a quantidade de carboidratos, uma opção é comprar carbogel.
  • Balanceie o cardápio de acordo com o tempo e o grau de dificuldade.
  • Avalie o volume e o peso na hora de carregar.
  • Uma dica legal para iniciantes em trilhas: leve produtos e frutas que esteja acostumada a comer. Deixe para experimentar algo mais exótico e diferente, quando tiver um banheiro por perto. 


Hidratação

  • Hidratar-se é fundamental, mas sabemos que carregar muitas garrafas pode pesar bastante.
  • É bom pesquisar a existência de pontos de abastecimento. Leve Clorin para diluir na água que encontrar no caminho, e deixá-la potável.
  • Bebidas isotônicas são bem-vindas. Esportistas as consomem para repor líquidos e sais minerais.

 

5. O que vestir e calçar durante a trilha

  • Use roupa confortável e compatível à temperatura.
  • Em dias quentes, use camisetas com proteção ultravioleta (UV), elas reduzem o impacto dessa radiação na pele. Leve também boné ou viseira e óculos escuros.
  • Você não precisa comprar logo de cara os itens a seguir, mas é interessante saber que existem e são úteis para caminhadas mais longas e travessias:
  • No inverno, vista-se com sistema de camadas: peças “segunda pele” de cor escura absorvem mais o calor; blusas de fleece; corta vento; jaqueta de pena de ganso; calça impermeável; proteção para o pescoço e touca.
  • Aqueça bem as extremidades, os pés e as mãos, com luvas e meias grossas.
  • O calçado deve ser adequado e amaciado (que já tenha sido usado). Recomenda-se botas apropriadas para a atividade, em especial, que não escorreguem.

Nunca vá descalço ou de chinelo. Lembre-se, no início, utilize o tênis que tiver.

 

Atente-se à escolha do calçado na trilha
Dica para iniciantes em trilhas: atente-se à escolha do calçado

 

6. Respeite o meio ambiente

  • Passe protetor solar e repelente (se for natural, vegano e orgânico, ótimo, pois agride menos o ecossistema).
  • Jamais jogue dejetos na mata – dica para iniciantes em trilhas e a qualquer pessoa que tenha contato com a natureza.
  • Leve sacola biodegradável para trazer seu lixo de volta, inclusive cascas de banana, miolos de maçã, restos de outras frutas (apesar de orgânicos, não são nativos da região, interferem no solo e podem causar contaminação).
  • Procure um ponto bem longe das nascentes e córregos, para suas necessidades fisiológicas.
  • Cave um buraco com cerca de 15 centímetros de profundidade, enterre as fezes e ponha uma pedra em cima para os animais não desenterrarem. O ideal é carregar consigo uma pequena pá.
  • Se preferir, utilize o shit tube (há pessoas que compram e outras que confeccionam), um cano de PVC fechado nas extremidades, para guardar o cocô.
  • Faça o ‘número 2’ em cima de folhas de jornal e cubra com um pouco de cal. Embrulhe, coloque em uma sacola plástica biodegradável e guarde no tubo.
  • O papel higiênico ou o lenço umedecido devem ficar em um saquinho plástico e descartados em uma lixeira.
  • Não faça uso de sabonete, shampoo ou sabão, nas fontes de água.
  • Jamais arranque, e muito menos, plante, absolutamente nada.

 

Interferir na fauna e na flora desencadeia um desequilíbrio ecológico. Traga para casa apenas boas lembranças.

 

Importante dica para iniciantes em trilhas e aos trilheiros experientes: fogueiras representam uma das grandes causas de incêndios florestais, evite-as ao máximo!

  1. Precisa de iluminação? Recorra a um lampião ou a uma lanterna.
  2. Quer se aquecer? Vista-se com peças adequadas ao clima.
  3. Para cozinhar, existe o fogareiro ou fogão (se estiver em um camping com mais estrutura).
  4. Em hipótese alguma, alimente os animais silvestres, isso afeta o processo de reprodução, a sobrevivência de filhotes e compromete a harmonia das espécies.
  5. Observe os bichinhos a distância, a proximidade pode ser interpretada como ameaça, e por consequência, talvez eles respondam com ataques.

Somos visitantes, a casa é deles. Tenhamos todo respeito e cuidado para que nossa breve passagem cause o menor impacto possível. 

7. Gentileza gera gentileza

  • Seja educada com os outros visitantes e os moradores da floresta, evite som alto, brincadeiras perigosas ou ofensivas.
  • Incentive o comércio local, compre produtos artesanais e típicos da região.
  • Seja gentil, principalmente contigo, não se cobre tanto, respeite seus limites e divirta-se.

 

Quem me conhece sabe que sou tagarela, e no Blog não seria diferente. Eu me empolguei, não consegui ficar somente nas dicas para iniciantes em trilha, e escrevi detalhes mais aprofundados sobre o assunto.

Tomara que curta trilhar e queira se superar cada vez mais.

Vamos imaginar que precise viajar para outro estado ou país para subir um morro ou uma montanha. Veja o que é importante incluir no planejamento:

 

8. Como planejar sua trilha 

  • Busque informações sobre a região que pretende visitar; distância de casa; melhor jeito de chegar (atenção às condições da estrada, umas exigem veículo 4×4, como no Jalapão/Tocantins); fica dentro de parque ou de propriedade particular; será preciso fazer reserva,  pernoitar ou acampar; e o horário de funcionamento.
  • Calcule todos os custos: combustível, pedágio, transfer, aluguel de carro, hospedagem, refeições, entre outros.
  • Caso vá para áreas litorâneas, consulte a tábua de maré em alguns sites:
  1. https://www.marinha.mil.br/chm/tabuas-de-mare
  2. https://tabuademares.com/br
  3. https://www.climatempo.com.br/tabua-de-mares#
  4. www.windguru.cz
  • No território brasileiro, a temporada de montanhismo ocorre durante a época mais fria do ano, mais ou menos de abril a setembro.
  • Coloque na mochila vestuário adequado ao clima.
  • Neste período, as condições climáticas são ideais para a prática dessa atividade, com temperaturas amenas, menor ocorrência de tempestade e menos mosquitos. Sem contar que o nascer e o pôr do sol ficam mais lindos do que já são.

 

9. Estude o trajeto

Antes de chegar ao destino, o que pesquisar sobre a trilha:

  • Quantos quilômetros e quantas horas vai andar. 
  • É relevante entender a diferença entre altitude e altura de um relevo. O primeiro leva em consideração a distância vertical da base até a extremidade. O segundo se baseia na distância vertical em relação ao nível do mar.
  • Veja o grau de dificuldade: leve, moderado ou difícil. Se é muito íngreme, se há grampos, escalaminhadas, necessidade de uso de cordas ou de equipamentos específicos.
  • Leia e ouça relatos de quem já trilhou. Essas informações ajudam demais, mas não se deixe influenciar por comentários negativos e nem se compare com os outros na questão das conquistas de cumes, cada pessoa tem seu desempenho e seu progresso. Acredite no processo!  
  • Em travessia, avalie por qual cidade, estado ou praia é viável iniciar a andança. Um exemplo: no Pico da Bandeira, recomendo entrar pelo lado mineiro, no Parque Nacional do Caparaó, e sair na portaria do Espírito Santo.

Encarar altas altitudes requer preparação bem específica, portanto, não é recomendável para iniciantes em trilhas.

 

10. Aplicativos para quem gosta de trilha 

Separei alguns aplicativos para ajudá-la na empreitada. Eles estão disponíveis para dispositivos Android e Iphone (IOS). Podem ser baixados pela Google Play Store ou pela App Store, algumas funções são cobradas.

  1. Wikiloc: um dos mais queridinhos é pago, mas conseguimos gravar nossas conquistas. Contém trilhas ao redor do mundo com 70 tipos de atividades como caminhada, corrida, bicicleta, esqui e caiaque. É possível colocar fotos e seguir outros usuários. Baixe o percurso, e use em off-line.
  2. Strava: bastante utilizado por ciclistas, mas por outros esportes também. É gratuito e tem uma versão paga, o Strava Summit. Ele registra o desempenho nas pedaladas, como velocidade, distância percorrida, altitude acumulada, rota, batimentos cardíacos e gasto calórico. Se o usuário quiser, pode comparar seus números com os dos amigos ou de um ranking mundial.
  3. GPS Essentials: traz informações de latitude, longitude, números de satélites, velocidades, waypoints. Além de verificar gráficos, grava.
  4. LeafSnap: esse software identifica dezenas de plantas do planeta. Indicado para os apaixonados pela flora.
  5. Star Walk 2: se o seu fascínio é por astronomia, use esse aqui para ver o sistema solar em tempo real. 

 

11. Dicas para iniciantes em trilhas: acessórios e equipamentos

– Perneiras

  • Protegem contra picadas de serpentes. Caso aconteça algum incidente, tranquilize a vítima e a socorra o quanto antes.
  • Não use torniquetes, incisões e nem passe substâncias na picada (pó de café, couro de cobra ou folhas). Lave a região afetada com água e sabão.
  • Se possível, tire foto do réptil, o único tratamento eficaz para envenenamento é com soro antiofídico, específico para cada tipo de bicho. 


Capas de chuva para trilha 

  1. Escolha as menos volumosas, uma para você e outra para a mochila.
  2. Proteja o que não pode molhar (documentos, eletrônicos e roupas).


Bastão de trilha

  • Feito de alumínio ou de fibra de carbono. É vendido em forma de cajado.
  • Usado para pegar impulso, aliviar o esforço dos membros inferiores, testar profundidade de rios ou lagos e evitar quedas. 


– Mochila cargueira

  • É um item relevante para segurança e conforto.
  • É vendida nos modelos femininos e masculinos. É medida por litragem, algumas chegam a ter até 90 litros.
  • Teste o produto antes de comprá-lo. Leve em consideração quanto pesa, ainda vazio. Veja o volume peso total também, o ideal é que não ultrapasse mais do que 16% do peso de seu corpo.
  • Compre uma que tenha barrigueira, para não sobrecarregar o ombro. Regule bem a altura.
  • Ela deve ficar bem ajustada ao corpo, como se fosse uma roupa. Afivele a fita peitoral, assim a mochila não fica ‘sambando’ nas suas costas.
  • Deixe o mais importante de fácil acesso. Saiba usar os bolsos a seu favor.

 

Trilha ao Pico Caratuva com mochila cargueira nas costas
Pico Caratuva: 2º ponto mais alto do sul do Brasil

 

– Saco de dormir 

  • Há dois tipos de enchimento: o de plumas de ganso, mais leve e mais compacto; e o de fibra sintética, com bom poder de isolamento, porém mais pesado e mais volumoso.
  • Preste atenção aos graus que ele suporta e em qual estação do ano pretende usá-lo.
  • Recomenda-se isolante térmico para não absorver o frio do chão. 

 


– Barraca de camping

Leve em consideração tamanho, peso, teto, costura, impermeabilidade e conforto. 

 

Camping em Capitólio/MG

 

– Fogareiro 

Usado para preparar alimentos. Esse pequeno fogão portátil pode ser: elétrico, que funciona por indução; ou a gás de cozinha ou querosene. 

 

Mais itens imprescindíveis para iniciantes em trilhas:

  1. Leve kit de primeiros socorros e remédios que costuma tomar.
  2. Providencie lanterna de cabeça ou de mão, pilhas e apito.
  3. Se tiver com alguém que tenha um rádio de comunicação, em uma emergência, será excelente. 

 

Achou a lista das dicas para iniciantes em trilhas grande (isso sem falar das informações adicionais)? Fique tranquila, logo você se acostuma!

 

A quantidade de benefícios vale toda dedicação e empenho ao desbravar novos montes. Vou citar rapidinho alguns: melhora a saúde, a memória, a capacidade cognitiva, o humor e o sono; diminui o estresse; e constrói laços comunitários, familiares e de amizade.

Poderosa leitora, trace a rota dos seus dias. Ocupe todos os espaços. Dê voz aos seus pensamentos e posicionamentos.

 

Batalhe por seus objetivos sem dar importância aos tais padrões. Chega de estereótipos! Siga pleníssima nas suas escolhas.

Encare avalanches, tempestades, vulcões, qualquer vento contrário, porque o sol há de brilhar muitas vezes. 

 

Liberte-se das amarras do medo e das convenções!

 

Leve sua autoestima para caminhar ou dançar por onde quiser. Você merece chegar ao topo e sentir a imensidão do que é viver com suas limitações e suas potencialidades em um mundo mais humano, igualitário e justo. Eleve-se!

E não deixe de aproveitar todas as dicas para iniciantes em trilhas. Mana, montanhe-se!

Eu escolhi trilhar minha jornada

acompanhada do que me faz bem.

É assim que alimento minha alma em busca

de uma mente sã!

 

Sou paulistana, vejo no mundo um quintal, aprendo e vivencio cada vez mais a brasilidade. Jornalista, apresentadora e viajante, decidi unir a formação em Comunicação a minha paixão por experiências em viagem, e compartilhar conteúdo que conecte pessoas, sonhos e muitas histórias. Assim como eu, deseja conhecer vários lugares? Então, inspire-se: Vá, Viaje!
Post criado 10

16 comentários em “Dicas para iniciantes em trilhas: mulheres no topo

  1. Mana do céu!
    Assim você acaba com esta mera leitora que ficou com vontade de escalar o Everest logo de cara!
    O que eu posso dizer de algo tão bem construído, elaborado e organizado, com tantas reflexões que fazem todo o sentido, e que me fazem sentir na pele, assim como você se sente, com todo esse entusiasmo e essa sede de mostrar para o mundo que o céu não é o limite?
    É extraordinário! Inigualável! E lindo!
    Já disse, o mundo precisa de mais Keli’s por aí, e de preferência com havianas de Boipeba 🤣.
    Obrigada, obrigada e obrigada, por se atrever, por sonhar e acima de tudo, por realizar, mesmo com todos os desafios desta vida, e tbm por e nos mostrar um pouquinho desse mundão cheio de possibilidades que merecem ser exploradas e que podem mudar as nossas vidas.
    Você é foda!
    Voa alto Keli, esse mundo merece ser experimentado pelas suas experiências doidas e transcrito pelas mais belas e sinceras palavras.
    Que textão!

    1. Amiga, quem escreve bem é você. Arrasa demais! Estou sentindo que em breve faremos uma trilha, viu, com ou sem medo de serpentes, risos. Ai, Boipeba, Bahiaaa, como não amar esse estado brasileiro. Gratidão por sempre me colocar pra cima. É sobre isso!!!

  2. Pingback: - Vá, Viaje

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo